Portfólio

17/11/2017

CONSTRUÇÃO DE BARRO

Muitas pessoas quando perguntadas como seriam suas casas ideais, falam que gostariam que fossem frescas, espaçosas, estilosas e que comportassem com conforto todos os seus amigos.

Você acreditaria que pode ter tudo isso com uma casa feita com bambu e barro? As famosas e tradicionais casas de pau a pique que tanto ouvimos falar na escola é uma realidade e altamente sustentável. Foi isso o que comprovaram dois egressos do curso de Engenharia Civil no trabalho de conclusão de curso.

A pesquisa dos alunos Pedro Coelho e Luara Porto começou quando ambos foram ajudar moradores caiçaras, na cidade de Paraty, a fazerem reparos em suas casas e perceberam que, mesmo em um dia quente, as crianças brincavam em um dos cômodos da casa bastante fresco.

Por muitos moradores estarem preferindo fazer casas de alvenaria e não mais de pau a pique, o interesse maior foi descobrir porque as pessoas estavam deixando de usar essa técnica e se os acadêmicos poderiam contribuir com melhorias e aperfeiçoamentos na estrutura.

“Nosso primeiro desafio foi superar o preconceito acerca da própria construção por ser considerada frágil e simples. Algumas pessoas chegaram a dizer que essas construções não eram Engenharia Civil”, lembrou Pedro.

A pesquisa começou a ganhar apoio e o interesse de alguns professores, em especial da reitora do UniFOA, pela forma como ele vinha se desenvolvendo e chamando atenção pelo empenho e capacidade dos alunos.

Tanto que a professora Claudia Utagawa, uma das avaliadoras do projeto, afirmou: - nos enche de orgulho ver o potencial que nossos acadêmicos têm. Esse trabalho foi sensacional, conseguiu mostrar todo conhecimento adquirido ao longo da graduação. Além da questão técnica da construção, o estudo que eles fizeram e o resgate cultural me fizeram querer participar da banca.

Para a realização do trabalho, os alunos fizeram levantamento de materiais - o melhor tipo a ser usado - participaram de capacitação, o que permitiu que realizassem um bom estudo do estilo de construção.

“A ideia é trabalhar com isso, fazer com que as pessoas entendam que a gente não quer dizer que elas devem substituir o concreto pelo pau a pique. Sabemos que o concreto hoje em dia é o material mais utilizado, e ele é realmente resistente, fica mais fácil o manuseio. Mas, quem sabe, mudar um pouco a linha de pensamento. As pessoas podem ter uma casa boa, com revestimento de concreto ou qualquer outro tipo e, ao invés de usar muito mais ferro na estrutura, optar por um pouco de bambu ou fazer uma parede de barro", sugeriu a formanda Luara Porto.

VOLTAR PARA PORTFÓLIO